Empreendedorismo público

O empreendedorismo, costumeiramente ligado a iniciativa privada, pode, e por vezes necessita, adentrar o setor público, de modo que este, não se mantenha como mero gerente de recursos coletados junto a população. Gerir recursos que não são criados é papel de gerentes, gestores, que de certa forma, pode ser exercido por pessoas com relativo discernimento e uma formação básica em princípios de gestão. Embora alguns governos pequem de forma absurda em relação ao uso dos recursos e gastam mais do que arrecadam de forma irresponsável, a premissa aqui é que isso por si só, não destaca governos, nem governantes. Equilibro e responsabilidade fiscal ajudam, mas levam o governo a trilhar um caminho mais próxima ao óbvio e ordinário do que ao extraordinário. Pois é justamente o extraordinário que reúne o poder de afetar a realidade, de modificar a vida das pessoas em uma determinada comunidade e para isso os governos precisam ser empreendedores.

O perfil de um governo empreendedor, não significa ser um governo que abra negócios, basta ver as iniciativas fracassadas das últimas gestões federais, quando o governo abriu 43 empresas públicas. Empresas que fecham o mês e o ano no vermelho e consomem milhões dos cofres públicos para se manter. Retiram do bolço já castigado do povo brasileiro, recursos que poderiam ser melhor aproveitados, para manter mastodontes ineficientes e incompetentes que servem apenas como cabide de empregos para apadrinhados políticos ou concursados estáveis e acomodados.

A premissa desenvolvimentista, onde o empreendedorismo público deve entrar, é no fomento ao setor privado por parte do poder público através de projetos, leis de incentivo e suporte para que haja desenvolvimento. Os governos, o que inclui as três esferas de poder, igualmente deveriam ser empreendedores em ações de solução inteligente para problemas comuns e de demandas de suas sociedades. Isso também é ser empreendedor público.

Estes e outros aspectos do empreendedorismo foram temas abordados na palestra sobre empreendedorismo público realizada no dia primeiro de agosto para represetantes de segmentos sociais dos estados brasileiros em Brasilia. O evento reuniu setores organizador da sociedade como sindical, juventude, descendentes afro, mulheres, entre outros. A palestra foi ministrada por Joel Maciel.